meditação do dia 09/02/16- A Lei de Deus e os costumes dos fariseus

125

 

Primeira leitura: 1 Reis 8, 22-23.27-30

Salomão está consciente da imensa distância que existe entre Deus e o homem.

Por isso assume uma atitude de grande humildade e de sentido religioso diante de Deus.

Não há proporção entre Deus e o homem. Por isso, havemos de fazer tudo para glorificar a Deus, e não a nós mesmos.

Salomão, pelo carácter sagrado que lhe vem da unção, e como rei de um povo teocrático, preside à cerimônia da dedicação do templo.

O centro da sua oração, onde brota o louvor e a invocação, é o espanto do homem diante de Deus-presente, diante de um Deus que quer habitar no meio dos homens: «Será que Deus poderia mesmo habitar sobre a terra?» (v. 27).

Estas palavras revelam-nos a eterna tensão entre transcendência e imanência.

Como é possível habitar num templo Aquele que nem os céus podem conter?

Para Salomão, mais importante que o ouro que reveste o altar e as portas do templo, mais importante que as colunas de bronze e as alfaias sagradas, é a presença de Deus, no templo por ele edificado, é a Aliança com que Deus quis ligar-se ao seu povo.

O templo é memória estável e silenciosa da Aliança.

Não é uma morada para encerrar a Deus.

Nenhuma morada construída pelos homens O pode conter.

E está presente onde quer que se viva a Aliança.

1 Reis 8, 22-23.27-30

 

 

Salmo: Sl 83 (84),3-5.10-11
R. Quão amável, ó Senhor, é vossa casa!

 

Marcos 7, 1-13

 

Evangelho: Marcos 7, 1-13

Ao revelar-se como o Filho de Deus, o Mediador entre Deus e os homens, Jesus relativiza as regras e preceitos humanos.

Não os anula, mas mostra que são válidos se estiverem relacionados com Ele.

Ele é a norma, Ele é a incarnação do mandamento de Deus, a Palavra viva.
Jesus não quis mudar o homem a partir de fora.

Quis mudá-lo a partir de dentro, transformando-lhe o coração, entendido biblicamente, como o eu profundo do homem, onde se dão as suas decisões pelo bem ou pelo mal, por Deus ou contra Deus.

Diz Jesus: «Do coração procedem os maus pensamentos, os assassínios, os adultérios, as prostituições, os roubos, os falsos testemunhos e as blasfêmias. Eis o que torna o homem impuro; mas comer com as mãos por lavar não torna o homem impuro» (Mt 15, 19-20). Por essa razão é que Jesus manda aprender d´Ele a mansidão e a humildade do “coração” (Mt 11, 29). «Bem-aventurados os puros de coração…» (Mt 5, 8), isto é, os homens genuínos, sinceros, coerentes com as convicções da sua consciência.

Evangelho Marcos 7, 1-13

 

Homilia

 

Diário Espiritual

Questionamento: Eu sigo alguma lei ou costume dos homens, acima das Leis de Deus?

Anúncios

Publicado em 10 de fevereiro de 2016, em Sem categoria. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: